30 de dez de 2011

VIAGEM AO DESERTO DE ATACAMA 4º DIA 348km















































































































































































































































































Este foi um dia muito interessante, começou ruim e terminou ótimo, saímos de TERMAS e continuamos pela ruta 9 ate AGUA AZUL, entramos a esquerda em uma estrada sem nome e número rumamos destino FAMAILLA, neste caminho colocamos pela primeira vez as capas de chuva, tomamos chuva fraca desde agua AGUA AZUL em diante.



Lindo! lindo mesmo! foi o que repetíamos um para o outro durante o percurso de FAMAILLA até CAFAYATE. Logo alcançamos a ruta que nos levaria a Taffi del Valle. A estrada era extremamente sinuosa, estreita e perigosa, com várias curvas em cotovelos e subidas íngremes. Muitos caracoles. Estávamos pela primeira vez sendo apresentados a um tipo de estrada que dali em diante veríamos com certa frequência: curvas em cotovelos, desfiladeiros e belíssimas paisagens. Logo alcançamos um monumento que reproduzia em uma grande estátua a figura de um índio junto a um mirador ao lado de um estacionamento com bancas onde se vendia o artesanato do lugar. Já estávamos a 1.000 m.s.n.m. Paramos e fomos tirar algumas fotos. Na volta ao local onde estacionamos a moto, esta estava cercada de curiosos. Éramos a atração. Alguns se aproximavam para saber para onde íamos e de onde vínhamos, admirados com a coragem de nos aventurar sozinhos pela América a bordo de uma motocicleta.


Continuamos a subir ate chegar a TAFI DEL VALLE ai sim a temperatura cai derepente pois estávamos a uma altura de 3050 metros isso em apenas 55km. isso é que subir!

Chegamos com estas imagens a Taffi del Vale, uma simpática cidade a beira de um grande lago. Não pudemos conhecê-la, pois seguimos direto, sem nem mesmo parar para abastecimento. A estrada, agora em meio a campos, continuava a subir. Logo o visual começou novamente a mudar e chegamos a AMAICHA DEL VALLE, local deserto, com muita pedra e do outro lado do rio algumas casas de pedra. Estávamos sendo apresentados a uma vegetação, clima, paisagem e cultura completamente diferentes do que havíamos visto até então. A partir daqui conhecemos os incríveis cactones, gigantescas árvores pertencentes a família dos cáctus, lindas, majestosas e que parecem estar nos fazendo sinais obcenos. Seguimos em direçao a cafayate e no caminho nos deparamos com mais uma obra da engenharia argentina e que veríamos tambem no CHILE, trata-se de depressao na estrda para dar vasao as aguas de chuva ( ponte ao contrário, agua em cima ponte em baixo), ja que chuvas nao sao muito comuns nesta regiao, mas quando chove vira rio em todo lugar.
Seguimos para alcançar um dos objetivos de nossa viagem: as ruínas do antigo povo Quilmes. Enfrentamos um pequeno trecho de 5 km de rípio e finalmente alcançamos as ruínas que podiam ser avistadas do asfalto. Lá também um guia nos apresentou este local incrível, onde anteriores aos povos Incas, que os dominou, vivia um povo extremamente desenvolvido e que chegou neste sítio, a contar com mais de 5.000 indivíduos. Subi um pouco para avistá-la de cima e notei o quanto ainda há de ruínas abandonadas no seu entorno. Somente 15 % da área está restaurada. Seguimos viagem, pois nosso objetivo era alcançar CAFAYATE, a mais de 50 km de onde estávamos e tínhamos pelas visitas, rendido pouco em nossa viagem até aquele momento. No caminho até Cafayate, conhecida como a região dos vinhos, encontramos muitas vinícolas. O local é muito interessante e mereceria uma estadia mais prolongada, porém nosso objetivo era outro.

Chegamos a CAFAYATE nos hospedamos e eis um boa notícia o MARIO apresentava sinais de melhora e comentou que estava com fome, bom sinal, curtimos o centrinho, jantamos e fomos dormir. km do dia 348 km.

2 comentários:

  1. Parabéns pelo relato Adilson! Muito bom acompanhar a viagem e curtir um pouco do que vocês viram e sentiram. Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Nossa, estou impressionada com tanta historia boa pra ler. Parabêns e que sua proxima viagem seja ainda melhor do que essa.

    ResponderExcluir