26 de jan. de 2014

24º DIA

Chegamos a mais um dia tão esperado, relatos desta fronteira tenho ouvido a muitos anos, dificuldades, belezas naturais deste montanhas e vulcões e distância a ser percorrida sem abastecimento são fatores a serem vencidas nesta travessia andina, isto nunca esquecendo da altitude que novamente vamos enfrentar.

Como de costume nunca conseguimos sair cedo, devido ao café ser servido tardio, ou você sacrifica o café e sai mais cedo ou o jeito é sair  sempre após as 8:00 hrs.

Saímos de Copiapó  com destino a fronteira tomando a ruta 31 e em  9 km da cidade já avistamos a placa avisando que o próximo posto de abastecimento será somente a 470 km a frente, somente em Fiambala na Argentina, abastecemos o tanque da moto e os galões de reserva, seguimos estrada a dentro apreensivos e ansiosos na espera do que poderá vir adiante.

No início um calor nos acompanha , estamos a poucos metros acima do nível do mar, a estrada segue por mais 10 km asfaltada, logo entramos em uma estrada de chão e seguimos por ela por longos 112 km, esta estrada esta em ótimas condições, por ser uma estrada de mineração esta bem compactada, andamos em um rítimo de 80 km/h, sempre subindo bem lentamente, muito diferente do paso Águas Negras que de entrada se tem uma pancada de subida de 4.000 metros em 120 km.

Andamos cerca de 156 km e já estávamos a 2.800 metros de altitude, paramos para nos agasalhar, o frio já era presente neste momento, rodamos por mais uma dezena de quilômetros e fizemos outra parada, mas agora era par aliviar a pressão dos pneus, visto que na altitude a pressão aumenta, também para uma melhor aderência em estrada de chão é melhor estar com os pneus com uma pressão mais baixa, aproveitamos para reabastecer as motocas com os galões reservas.

A estrade estava em manutenção, ficamos apreensivos, mas adiante vimos que estava em ótimas condições, nosso receio era de encontrar bancos de areia, isto para uma moto pesada é terrível.

Não faltou muito e os primeiros picos nevados já apontavam a nossa frente, indícios que a aduana Chilena estava próxima, também avistamos um pequeno salar.

Exatamente às 14:15 da tarde chegamos a aduana, fizemos nossa saída do Chile, a entrada na Argentina  seria a mais de 200 km a frente, éramos indigentes neste trajeto, este trajeto está repletos de vulcões uma atração a parte, se confundem com picos eternamente nevados desta região.Ali encontramos o maior vulcão do mundo o OJO DEL SALADO  com 6893 metros, andamos por hora avistando o gigante adormecido.

Faltando um pouco mais de 10 km para alcançar o pico da cordilheira avistamos um lago, chamado de Laguna Verde, que, apesar do nome é de um reluzente azul cristalino, mais parecia com uma miragem em meio ao deserto, nem parecia ser real tamanha beleza em um lugar tão inóspito como aquele.

Sessões de fotos de todos os ângulos tiramos neste lago, subimos na motoca com um sorriso que chegava de orelha a orelha, tamanha era a felicidade de chegar até ali.

Pilotamos por mais alguns quilômetros e avistamos uma base militar, pequena, devem fazer a proteção deste lago e da fronteira que se encontra a poucas dezenas de quilômetros mais adiante.

Chegando ao topo a exatos 4781 metros de altitude, uma placa de limite internacional se avista, também à um refúgio ou abrigo, salvo que este também é um reduto de alpinistas e mochileiros, todos em busca de emoção em escaladas e caminhadas. Da fronteira de agora em diante é tudo asfaltado, já estamos em território Argentino, mas ainda sem documentação de entrada neste país, a aduana segue descendo por mais uns 70 km.

Na descida a paisagem muda, campos verdes com uma vegetação rasteira de coloração amarelada nos acompanha ao longo da estrada, lhamas, alpacas e vicunhas também são avistadas, mini lagos  e o vulcão SAN FRANCISCO  avistamos agora do outro lado, então é possível imaginar o tamanho deste cara.
Chegamos na aduana Argentina e estávamos a uma altura ainda de 4.000 metros, fizemos a entrada neste país e seguimos para Fiambala, 2.000 metros mais abaixo, sempre fazendo paradas para se aclimatar e tirar fotos, este lugar é de uma beleza estonteante, elegemos este paso como a mais linda travessia de todas as cincos vezes em que fizemos as cordilheiras nesta viagem.

Perto de Fiambala temos mais uma surpresa, é impressionante como as formações rochosas mudam de coloração, a cada curva avistamos montanhas diferentes, partem de um cinza escuro para tons de vermelhos barroco,tons de areia e mesclas de cinzas, incrível, é muito lindo este trajeto todo, sempre margeando um leito de rio seco, passando por paredões com uma estrada sinuosa e estreita.

Quando avistamos uma pequena canalização em forma de vala feita de pedras vindo das montanhas, imaginamos estar perto de Fiambala, nosso GPS confirma faltam apenas 11 km, mas, onde está esta cidade? O que avistamos era tão somente um pequeno seixo de árvores la ao fundo do vale, faltando apenas 11 km, nos perguntamos será esta a cidade de Fiambala?

Por incrível que pareça era sim, estes últimos 11 km foram de pura descida em linha reta, conforme descíamos, entrávamos cada vez mais na vegetação e a cidade de Fiambala se desvenda em meio a aquela vegetação em que avistamos do alto das montanhas, as motocas chegaram na reserva, o posto de gasolina já estava fechado, nos hospedamos em um pequeno hotel, não espere muito desta pequena cidade, é muito pequena, fica em um vale no fundo do fundo de tudo, a impressão que se tem é que se chover inundará tudo, pois as águas das montanhas descem todas para este vale.
  
Saímos para jantar, comemos um bife de chorizo com macarrão, voltamos para o hotel, nosso dia hoje foi cansativo,merecemos o descanso, nos despedimos da altitude nesta viagem atravessando este paso, foram no total cerca de 13 dias sempre acima de 3.800 metros, o corpo age de forma muito estranha para quem não é aclimatado.




ESTE É O OJO DEL SALADO O MAIOR VULCÃO DO MUNDO 6.893 METROS



O VULCÃO SAN FRANCISCO


LAGUNA VERDE





IMPRESSIONANTE É A COR DA ÁGUA













ETERNOS PICOS NEVADOS


NOSSO DESTINO PARA O DIA SEGUINTE, CORDOBA.


DO LADO ARGENTINO ASFALTO.



ALTIMETRIA DO TOPO 4781 METROS


LINDAS PAISAGENS DO LADO ARGENTINO




PARECE CARTÃO POSTAL



VULCÃO...




DESPEDINDO DOS PICOS NEVADOS


MÍSTICA COLORAÇÃO DAS MONTANHAS




FORMAÇÃO ROCHOSA DE TOM AVERMELHADO


SEMPRE DESCENDO LENTAMENTE








A CADA CURVA MUDA DE CENÁRIO


TONS DE AREIA....LINDO DEMAIS


PARCEIRÃO SEMPRE VISÍVEL






















ESVAZIANDO OS PNEUS










SAI! MÁQUINA









CHEGANDO NA ADUANA CHILENA









UMA PEQUENA BASE DO EXÉRCITO CHILENO















O PILOTO ABANDONOU A MOTO






DA VONTADE DE ENTRAR NESTA ÁGUA

















Nenhum comentário:

Postar um comentário